Lekoshimura's Weblog

In a few words?

Archive for the ‘putz’ Category

Olimpíadas

  1. Corrida de drones (com e sem obstáculos)
  2. Poker
  3. Pole Dance
  4. Hackaton
  5. Drifting
  6. Wing suit skydive
  7. Duelo de robôs

Written by lekoshimura

29/maio/2015 at 1:10 pm

Publicado em putz

Tagged with

Sonhado em 10/2013

Eu estava programando um x-salada na mesa da cozinha da casa da minha avó. Havia três pratos de louça para receber as variáveis. Rótulos em letra cursiva com os nomes das variáveis ornavam o prato. Tudo seguia a documentação do framework. Mesmo assim, o x-salada não compilava.

Mostrei o problema ao Diego que, por sua vez, respondeu com a voz do Ivan:

– Mas você está olhando o manual certo?

– Sim, claro! Está aqui, ó. Versão 4.3.

– Não. A versão mais recente é a 4.4.

Lixo! O índice do Google ainda ainda apontava para a versão anterior! Na versão nova, havia mais um prato de variáveis chamado “assertions”. Coloquei dois tomates e uma folha de alface nele e o x-salada finalmente compilou.

Desenvolvimento tem esses tropeços.

Written by lekoshimura

7/outubro/2013 at 6:40 pm

Publicado em putz

Cavalos de Potência

O sistema de transportes de São Paulo é condenado ao fracasso e não adianta mais fazer pequenas melhorias: mais túneis, mais ônibus, pistas exclusivas, rodízio, etc.

  • E se trocássemos nossos carros por cavalos?
  • E se tivéssemos teleféricos para levar as bikes ladeira acima (até a cumeeira da Av. Paulista)?

Written by lekoshimura

8/agosto/2013 at 2:59 pm

Publicado em putz

Downloading and …

… Staling

Image

Written by lekoshimura

27/agosto/2012 at 8:09 pm

Publicado em putz

Tagged with

Meu Cérebro Enganou Minha Bexiga

Entrei no provador de uma loja de roupa e me deu vontade de mijar.

Written by lekoshimura

19/agosto/2012 at 1:54 am

Publicado em putz

Sócrates

A lembrança mais antiga que tenho do futebol é a Copa de 1982. Naquela época, a cabeça dos brasileiros abaixava sob o sentimento permanente de derrota: hiperinflação, dívida externa, desemprego, militares. Quando a roda girava, a gente voltava para o mesmo lugar: FMI, ditadura, dívida externa, terceiro mundo. Sofríamos de uma vergonha pré-plano-real-pré-tetracampeonato.

A vergonha ficava maior diante do êxito de todos os outros países do mundo que apareciam na TV, nos filmes arrasa-quarteirão dos Estados Unidos. E também havia as bandas fodásticas da Europa e os eletrônicos alienígenas da Japão. Jamais seríamos capazes de sermos os mais importantes em coisa alguma. O cotidiano era nossa derrota.

Pelo menos, numa coisa a gente era excepcional: a bosta maravilhosa do futebol. Especialmente em 1982. Era a melhor chance de sentirmos alguma felicidade desde 1970. Dentre aqueles heróis que nos representavam, (muito melhor do que faríamos por nós mesmos) havia o Sócrates. O capitão da seleção (seleção de 1982!, veja só) era também formado em medicina (a faculdade mais foda que tem!, VEJA SÓ). Ninguém era mais chucknorris do que ele. Nem o Chuck Norris era chucknorris naquela época.

Em 1982, eu tinha oito anos e virei corinthiano.

Written by lekoshimura

6/dezembro/2011 at 7:59 pm

Publicado em putz

Sonhado em 05/10/2011

Minha casa ficava numa praia pobre, deserta e paradisíaca. Um muro caiado separava o terreno e a areia. Havia um trecho do muro que estava caído mas isso parecia não ter importância.

Um 747 modificado pela VARIG sobrevoava a casa a algumas centenas de metros e rumava em direção ao continente. A entrada do compartimento de carga ficava na frente da nave, no lugar do bico, como se fosse um Hercules ao contrário. O avião voava com as portas do compartimento abertas e um funcionário da companhia pendurava-se com metade do corpo tentando fechá-las. Ele não usava nenhum equipamento para puxar a porta ou para segurar-se na boca aberta da nave. Apesar da situação alarmante, o funcionário aparentava calma e o avião prosseguia em sua rota. Talvez fosse rotina.

Quando o funcionário conseguiu puxar a porta, o fluxo de ar fez o avião embicar para cima e perder a sustentação. Vi o avião cair na praia e gritei para minha mãe me acompanhar mas ela não quis. Também chamei a Elen mas ela estava ocupada com o trabalho do escritório. Corri em pânico para contornar  o muro e atravessei o trecho caído. No meio dos escombros fumengantes da nave, encontrei o corpo do Ultraseven.

Written by lekoshimura

11/outubro/2011 at 6:16 pm

Publicado em putz